Lançamento coletivo de livros, conversa com editoras, potencialidade do Brasil, poesia e literatura preenchem o segundo dia do Festival Literário

O Festival Literário movimentou a cidade de Bananeiras nos últimos dias. Uma programação que acontecia em diversos pontos da cidade, utilizando os ambientes e incentivando a população a participar das conversas, exposições e atividades.

O sábado (26) já iniciou com a apresentação do grupo Tambores da Serra, formado por alunos da Escola Nossa Senhora do Carmo, animando a praça Epitácio Pessoa que realizava a exposição “Bananeiras 140 anos”, das escolas do município.

A programação contou com o lançamento coletivo de livros, escritores bananeirenses e convidados, expuseram suas obras e apresentaram elas ao público presente. 22 autores participaram do lançamento coletivo de livros realizado na Praça Epitácio Pessoa. O sábado foi um dia bastante voltado para escrita, tanto para lançamentos de livros, quanto para diálogos com editoras que os produzem.

A programação da tarde começou com um encontro de editoras paraibanas e um bate papo com seus representantes no Espaço Cultural Oscar de Castro. Estiveram presentes os jornalistas Naná Garcez, William Costa e Alexandre Macedo representando a Empresa Paraibana de Comunicaçãoes (EPC) e a editora A União, Linaldo Guedes com sua editora Arribaçã e Débora Gil com a Escaleras.

O Jornalista e escritor Rubens Nóbrega, mediador da conversa, acredita que um festival literário passa uma mensagem de como é importante promover a cultura e a literatura.

Dando seguimento ao evento, a última mesa de debate do segundo dia contou com a participação da escritora Maria Valéria Rezende e o escritor Jorge Caldeira. A conversa foi mediada jornalista Heron Cid e teve como tema Histórias na História. Os participantes da mesa expuseram suas ideias ao público que encheu o auditório do Espaço Cultural Oscar de Castro

Jorge Caldeira é referência na ciência política brasileira, durante sua fala, ele apresentou as potencialidades do Brasil e afirmou que “o Festival de Bananeiras, tem tudo para ser uma série que terá vida longa”, afirma.

Já Maria Valéria Rezende comemora o fato de feiras e festivais literários estarem se multiplicando na Paraíba, “Eu acho esse tipo de festival que tira o escritor de cima do púlpito e bota no meio de todo mundo é libertador”, ressalta.

A programação da noite contou com um Sarau Poético, na Praça Epitácio Pessoa, realizando apresentações culturais, com o Grupo Serras de Bananeiras e alunos da Escola Estadual de Ensino Médio e Fundamental Maria Gertrudes de Carvalho Neves Caiçara de João Pessoa. O segundo dia foi finalizado com show musical do cantor Rogério Souza, Pedro Faissal e Banda Meio Free.

Ascom – PMB

 

COMPARTILHAR